Os medos infantis. Como ajudar a criança com medo

Sabe por que as crianças gostam tanto dos contos de fadas?   Porque neles elas são levadas a sério.  Seus sentimentos são tratados com seriedade,  e não me refiro às princesas e ao lado belo do amor nessas estória,  mas ao lado sombrio que tem de ser enfrentado.  Todos os heróis e princesas enfrentam o mal, o feio . Os contos de fadas contam verdadeiramente sobre os sentimentos ruins. A madrasta vaidosa da branca de neve, a inveja da madrasta da Cinderela,  o ódio que transforma em dragão a Malévola.  E todos esses sentimentos são conhecidos da criança,  e por todos nós,  mas como adultos fomos aprendendo a controlá-los,  enquanto na criança ele ainda está na sua forma mais pura. Só observar um autêntico ataque de raiva em uma criancinha para percebermos isso. 

No entanto,  muitas vezes esses sentimentos tão ferozes assustam a criança pequena, mas como ela ainda não tem a maturidade necessária para compreende-los e dizer "mamãe estou assustado porque hoje senti muita raiva do meu amiguinho" , então isso vem de maneira concreta em forma de medos. Medo do escuro, medo do monstro, etc.

Esse tipo de medo é um medo que paralisa e prejudica a criança.


Mas como ajudá-la?? 


Uma dica que gostamos muito de dar aos pais em relação às suas crianças é a seguinte: TORNE O DESCONHECIDO EM CONHECIDO!!

Você deve estar se perguntando, "mas como faço isso?".

 Em primeiríssimo lugar, leve a sério o medo de sua criança, ela realmente acredita que há monstros e perigos por perto. Mostre a ela que o ambiente em que ela se encontra é seguro, acenda a luz, mostre que embaixo da cama e dentro do armário não há monstros. Se precisar deixe uma luz fraquinha acesa e a conforte dizendo que estará por perto e ela não precisa enfrentar isso sozinha. Que quando ela chamar você irá ao encontro dela e irá refazer os primeiros passos, tranquilizando a criança de que ela está em um lugar seguro e protegido.

 Converse sempre com a criança, se tiver conhecimento de algo que a deixou abalada, fale sobre isso, torne o desconhecido em conhecido: "Imagino que você ficou com medo quando ouviu o papai e mamãe discutirem hoje". "Acho que você não gostou da notícia de chegar um novo bebê na família e se sentiu muito bravo", "você ficou muito triste da sua professora ter ficado brava hoje" e, essa(s) situação (ões) faz você sentir muito medo (do escuro, do monstro, da chuva), mas como você está vendo não há monstros no quarto, a chuva não tem perigo e isso que está deixando você preocupado de verdade(briga dos pais, novo irmãozinho, etc) eu irei enfrentar junto com você. 


 Com isso vai se construindo um dos mais belos sentimentos: a confiança!

A confiança de que a criança pode sempre contar com você, de que você a leva a sério.

 Tomando o cuidado de NUNCA trazer a criança para dormir junto com você, isso não ajuda a criança a enfrentar seus medos, apenas confirma para ela que suas fantasias são verdadeiras. "Se a mamãe me colocou para dormir com ela, é porque meu quartinho não deve ser seguro de verdade!". 


 Hoje,  como  no  passado,  a  tarefa  mais  importante  e  também mais  difícil  na  criação  de  uma  criança  é  ajudá-la  a  encontrar  significado  na  vida.  Muitas  experiências  são  necessárias  para  se  chegar a isso.  A  criança à  medida  que  se  desenvolve,  deve  aprender  passo  a passo  a  se  entender  melhor;  é aos poucos e com muita paciência que a criança vai descobrindo que os monstros debaixo da cama são sentimentos dentro dela, e que não têm nada de monstruosos, são sentimentos humanos, que se soubermos reconhecer não precisaremos escondê-los debaixo da cama. 


Esperamos ter ajudado. Deixe seu comentário abaixo sobre o que achou! Nos ajude a  te  ajudar. 


Beijo e até breve

Myriam e Fernanda.


Abaixo o vídeo em que conversamos sobre esse assunto no nosso canal "Na sala sem espera", no Youtube.



#criança #psicologiainfantil #medoinfantil